ACB- Academia Científica do Brasil

ASSISTÊNCIA SOCIAL NA IGREJA

ASSISTÊNCIA SOCIAL NA IGREJA

 

Para atender uma pequena parte do problema assistencial local, é preciso ser muito bem organizado. Uma Assistência Social organizada trará grande resultados, tanto para a sociedade beneficiada, como para o grupo assistente. Se não houver uma rigorosa organização não haverá grupo assistente e nem ninguém assistido.

 

ASSISTENTE SOCIAL

 

A Assistência Social na igreja só pode realizada por pessoas que preenche rigorosamente sete requisitos. Vejam:

  • Ser diácono de verdade;
  • Ter o dom de diácono;
  • Ser chamado por Deus para esse fim;
  • Ser enviado por Deus para esse fim;
  • Ter o Amor de Deus;
  • Ter disponibilidade;
  • Ter prazer em servir.

 

ORGANIZAÇÃO

 

Conheçam os 28 passos organizacionais para uma assistência social funcionar:

  • Ter uma equipe de pessoas voluntárias que preenchem os mesmos requisitos;
  • Ter um projeto – saber quem pode contribuir – saber a quantidade de contribuições pode arrecadar – saber quem será beneficiado;
  • Ter uma meta – saber quantas pessoas serão beneficiadas – saber com que estas pessoas serão beneficiadas;
  • Reunir com os integrantes da igreja;
  • Lavrar uma boa ata – e depois registrá-la, ou reconhecer firma nos nomes dos representantes – e todos os participantes precisam assinar;
  • Apresentar o projeto aos integrantes da igreja na reunião - mostrar: a necessidade, quem pode contribuir, o que pode arrecadar e quem precisa receber;
  • Pedir opinião na assembleia;
  • Pedir aprovação de todos – a maioria aprovando (50% + 1) a Ata vira lei;
  • Cadastrar as pessoas que vão contribuir mensalmente;
  • Cadastrar as pessoas que serão beneficiadas;
  • Fazer tudo dentro das condições – é preciso saber o que pode doar com base no que tem;
  • Ter o dia e a hora para doar os donativos aos beneficiados, esse dia essa hora serão aprovados pelo grupo assistencial;
  • As principais pessoas beneficiadas serão aquelas que fazem parte da igreja;
  • Caso há beneficiado que faz parte da igreja é preciso haver também um projeto sistemático de evangelização;
  • Ninguém agirá (doará a alguém) independentemente, tudo deve consentimento do grupo e deve ser anotado;
  • Sobrando algo naquele mês é importante para complementar as doações do mês subsequente – mas se surgiu alguém necessitado deve haver uma reunião para ver o que fazer – porque o alvo do projeto são as pessoas da meta – as pessoas cadastradas – mas o diácono como portador do Amor de Deus providenciará um meio;   
  • Mostrar o projeto aos comerciantes e as demais empresas do local;
  • Ter uma campanha de oração contínua em favor dos contribuintes;
  • Ter uma dispensa para armazenar as contribuições;
  • Ter um departamento – um escritório – onde tudo serão registrados – exemplos: entra e saída;
  • Discriminar quem e quando contribuiu;
  • Discriminar quem e quando foi beneficiado;
  • Manter todas as transparências possíveis;
  • Prestar relatórios mensalmente para todos os contribuintes;
  • Filmar testemunhos de beneficiados – com a sua permissão, é claro;
  • Fotografar distribuindo as assistências – com as suas permissões;
  • Fazer cartazes e murais para incentivar os contribuintes;
  • Quando o projeto estiver estrutura suficiente pode até sortear brindes aos contribuintes.