ACB- Academia Científica do Brasil

VIDA APÓS A MORTE

VIDA APÓS A MORTE

PARA BACHARELADO EM TEOLOGIA CLIQUE AQUI

PARA GRADUAÇÃO E PÓS CLIQUE AQUI

          A Bíblia Sagrada, a Palavra de Deus, ensina que o ser humano fora criado a imagem e semelhança do seu Criador (Gn 1: 26, 27). Esse fator garante-nos a infinitude. Isto quer dizer que a morte não tem poder para dar fim, totalmente, em alguém. Ela, simplesmente, conduz o indivíduo a eternidade. Portanto, mostrar, biblicamente, como estão aqueles que partiram desta vida é o objetivo desta matéria. A base que temos, para falar sobre este assunto, não é a consulta aos adivinhos, ou a um morto que voltou; mas, das Sagradas Escrituras. Certo é, o ser humano não se finda, na morte. Quando Deus faz algo, Ele faz bem feito.

            Este assunto contribui para confortar corações, que perderam um ente querido; Refutar a teoria dos ateus os quais ensinam que a pessoa acaba quando morre; E confrontar doutrinas errôneas, as quais afirmam que a alma dos que morreram, está dormindo.

            Esta matéria é imprescindível, visto que é muito complicado para as pessoas que não conseguem acreditar que a vida continua, mesmo depois da morte. Isto faz com que elas vivem uma vida pecaminosa e longe de Deus, fator que resulta na perdição eterna da sua pobre alma. Então, a precaução espiritual é bem mais fácil para quem acredita na Palavra de Deus.

            Veja alguns pontos responsáveis por alguém não acreditar na vida após a morte: incredulidade; menosprezo, para com, a Bíblia Sagrada; pouco caso, com os ensinos de Cristo; criação em lar ateu; falta de estrutura, para enfrentar as instruções de instrutores ateus e etc..

            Mas esperamos que após o estudo desta matéria você venha aumentar, ainda mais, a tua crença sobre o assunto. E aprender da forma correta, segundo a Bíblia. Almejamos também que ela chegue às mãos de quem não crer, e de quem crer, mas de maneira errada – E que ambos venham ser convencidos pela a realidade da Palavra de Deus. Para que possam se desprender das doutrinas de homens.

            Pontos abordados nesta matéria: Morte, Para onde vão os mortos, Com que corpo se vive na eternidade e Purgatório.

 

1 MORTE

 

            Morte [do grego é tánatos (tanotos) do latim é mortem]. E significa separação. A morte não é normal e nem natural, ele é uma das consequências do pecado (Rm 6: 23). A Bíblia Sagrada nos revela três tipos de mortes. A saber: “a morte física, a morte espiritual e morte eterna”, que se chama também, segunda morte.

 

  • MORTE FÍSICA

 

Esta é a primeira morte, a morte do corpo físico (Gn 3: 19). Ela é causada pela separação entre a alma e corpo (Gn 35: 18). Além desta separação, não há como evitar a separação dos familiares, dos parentes, dos amigos e deste mundo. É sobre esta parte da pessoa, a saber, o corpo, que a morte tem poder. Ela transforma-o em pó.

 

  • MORTE ESPIRITUAL

 

Esta morte refere-se a uma vida separada de Deus, por causa do pecado (Is 59: 2). Quando Adão e Eva, os nossos primeiros pais, comeram o fruto da árvore da ciência do bem e do mal, no jardim do Éden; eles morreram imediatamente, no sentido espiritual, (Gn 2: 17). O primeiro casal representava toda a raça humana - Com a sua morte espiritual, no Éden, todos nós morremos com ele (Rm 5: 15). Isto é o que se chama de pecado original.

Nós fomos criados de corpo, alma e espírito. Ou melhor, de espírito alma e corpo (1ª Ts 5: 23). E enquanto o nosso corpo físico se alimenta dos alimentos cotidianos, o nosso espírito se alimenta da Palavra de Deus (Mt 4: 4). E quando alguém omite de se alimentar espiritualmente (ou, de obedecer) a esta Palavra, o seu espírito fica faminto, depois se enfraquece, uns se adoecem, e morre (Ef 2: 1, 5). Conforme a gravidade do pecado o espírito nem se adoece, ele já morre diretamente.    

Definição de morte espiritual: “Estar em pecado, desobedecer a Deus, não ter comunhão com Deus e etc..”

E alguém estando morto espiritualmente, e chegando a morrer fisicamente, segundo a Bíblia; não tem como escapar da morte eterna, que também é chamada de segunda morte.

 

  • MORTE ETERNA

 

A morte eterna, que também é chamada de segunda morte, refere-se a uma vida na eternidade; mas, porém, separada de Deus para sempre. Quem morre eternamente, ou melhor, as vítimas da morte eterna, jamais terão uma oportunidade para serem salvas. A Bíblia nos revela que para esses não há mais meio para salvação.

A morte eterna inicia-se no lago de fogo:

“E a morte e o inferno foram lançados no lago de fogo: esta é a segunda morte. E aquele que não foi achado escrito no livro da vida foi lançado no lago de fogo” (Ap 20: 14, 15).

 

  1. PARA ONDE VÃO OS MORTOS?

 

Após a morte os seres humanos vão para um lugar provisório. Ou um lugar intermediário. Certo é: nada ainda estar em seu respectivo lugar. Os referidos lugares são denominados, Hades, ou sheol e Paraíso, ou Ceio de Abraão.

2.1. HADES

 

Hades [do grego é haides (haides) e do hebraico é sheol]. Localidade: Segundo a Bíblia Sagrada o Hades fica localizado no centro da terra (Dt 32: 22; Sl 55: 15; 86: 13; Pv 9: 18). E a Ciência também confirma esta verdade. Se a Bíblia a usa linguajar como: “as Profundezas do inferno, as partes mais baixas da terra”, para essa localidade. Segue-se que essa região é situada no núcleo do globo terrestre. Conforme ensina a Ciência contemporânea, esse núcleo é a parte mais interna da terra. O seu limite inicia a partir de aproximadamente 2.900 quilômetros (2.900 km), e prossegue até acerca de 6.370 quilômetros (6.370 km).

Caloria: Enquanto um ferro funde (derrete) com menos de mil graus Celsius (1.000º C.); lá no núcleo terrestre atinge por volta de 6.000 graus Celsius (6.000º C.). É dessa região que vem as lavas dos vulcões. As lavas vulcânicas são rochas fundidas (derretidas).

  

2.2. MITOLOGIA GREGA

 

Segundo os mitos gregos, Hades era o deus do submundo. O Filho de Cronos. Que dominava o lugar para onde iam os mortos. E ao passar dos tempos, esse lugar passou a ser sinônimo de inferno. E que se tratava de um lugar de grandes tormentos. Igualmente, era compreendido pelos escritores do Novo Testamento (Mt 11: 23; Lc 10: 15; 16: 23).

 

2.3. O HADES NO ANTIGO TESTAMENTO

 

Com respeito ao texto bíblico registrado em Lucas (16: 19 – 31), na Bíblia Corrigida estar designado como uma Parábola. Mas nas demais versões da Bíblia, o título é “O Rico e Lázaro”. E na verdade o texto sagrado não se trata de uma parábola. Porque uma parábola é uma alegoria, uma ilustração. Onde que se usa algo, material para explicar uma verdade espiritual. E Cristo não disse que se tratava de uma alegoria, de uma ilustração. Ele afirmou:

“Ora, havia um homem rico” (19) “havia também um certo mendigo, chamado Lázaro” ( 20). E Jesus como é a Verdade, se Ele disse que havia, é porque havia. Além disto, o texto fala de Abraão (22). Será que Abraão também é uma alegoria? Negativo, este texto se trata de uma realidade. Jesus narrou um fato ocorrido no mundo espiritual.

O Senhor deixou bem claro nesta passagem, que no AT e no período intestamentário, para lá tanto iria às pessoas não salvas, como as salvas. Todos quantos morreram no Antigo Testamento iam para o hades, o Sheol, situado no núcleo terráqueo.

 

BIBLICAMENTE, O HADES É ASSIM:

 

 

 

3 COM QUE CORPO SE VIVE NA ETERNIDADE?

 

Quando alguém morre, automaticamente, ele recebe um corpo espiritual. “Mas, porém, Provisório”. Para que ele possa viver em um mundo espiritual (2ª Cor 5: 1 – 4). Na passagem do rico e Lázaro (em Lc 16: 19 – 31), não é revelado alma, ou espírito no hades; mas são revelados corpos completos. Que é: corpo (a imagem), alma (a vida) e o espírito (resumindo: o corpo na eternidade já é espírito).  

Este corpo é tão somente, enquanto a pessoa estiver nos lugares intermediários (os não salvos no lugar de tormentos, e os salvos no Paraíso, o Ceio de Abraão).

 

3.1. MANCHETE

 

Um dos jornais mais respeitados da Indonésia notificou um episódio que abalou o mundo. Foi relatado que uma junta de cientistas fora analisar o globo terrestre através de uma perfuração, no solo. E depois de muito tempo de trabalho, eles perceberam que o instrumento de perfuração chegara a uma lacuna, a um vago. Então eles passaram a pesquisar a perfuração para ver até onde eles tinham perfurado.

E no intuito de ouvir os sons das placas tectônicas, eles desceram um aparelho sofisticado de gravação. E ao ouvirem o que fora gravado, eles ficaram horrorizados. Os mesmos ouviram vozes humanas de todas as línguas terrestres, clamando por socorro e misericórdia. Eram verdadeiros clamores e ranger de dentes. E isto é: sem interrupção, sem trégua.

Você mesmo pode ouvir esses sons horríveis acessando na internet: “Vozes do inferno”. Eu individualmente, ouvir. Mas não se trata de uma tarefa fácil. É muito triste, arrepiante e desesperador. Mas ajuda sermos mais crentes.

  

3.2. O LUGAR DOS MORTOS NO NOVO TESTAMENTO

 

Quando Cristo morreu na cruz do Calvário para salvar os que n’Ele creem, Ele foi até ao hades. E a Bíblia Sagrada nos revela o Senhor dos senhores realizando, pelo menos, quatro tarefas no centro da terra, ou no Hades, a saber:

  1. Pregou aos espíritos em prisão (1ª Pd 3: 18 – 20). Esta palavra ‘’espíritos’’ significa ‘’almas’’. E refere-se às pessoas que morreram no mundo desde os tempos de Adão até aquele dia. Essa pregação era de esperança e consolo aos que morreram firmes na fé e na obediência, para com, a Palavra de Deus. E de conscientização do castigo eterno aos que viveu uma vida fora dos planos de Deus.
  2. Tomou de satanás a chave da morte (Ap 1:18). Onde que agora a morte pode ser um veículo direto ao Céu.
  3. Tomou também das mãos do inimigo a chave do inferno (Ap 1: 18). E com a mesma, Jesus Cristo irá mandar prendê-lo juntos com os seus demônios, por mil anos no abismo (Ap 20: 1 – 3; Is 24: 21, 22).
  4. Após essa (s) pregação (s) e a tomada das chaves (da morte e inferno), o Nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo, passou através do poço do abismo e chegou à direita, ao Ceio de Abraão, e transportou os salvos, que ali estavam para uma localidade no Terceiro Céu, o Paraíso (Ef 4: 8 – 20). Leia: Conheço um homem em Cristo que há catorze anos (se no corpo, não sei, se fora do corpo, não sei; Deus o sabe) foi arrebatado ao terceiro céu. E sei que o tal homem (se no corpo, se fora do corpo, não sei; Deus o sabe) Foi arrebatado ao paraíso; e ouviu palavras inefáveis, que ao homem não é lícito falar. (2ª Co 12: 2-4).

E após as revelações destas verdades bíblicas, João disse: E, havendo aberto o quinto selo, vi debaixo do altar as almas dos que foram mortos por amor da palavra de Deus e por amor do testemunho que deram. (Ap 6:9). Essa afirmação confirma que no Novo Testamento, os salvos, não vão mais para o centro da terra como era antes, mas vão para o Terceiro Céu, ao Paraíso.

Quanto à afirmação do próprio Cristo: ”Ora ninguém subiu ao céu, senão aquele que desceu do céu, o Filho do homem, que está no céu” (Jo 3: 13). Isto é uma realidade, pois quando o Senhor disse isso, Ele ainda não tinha transportados os salvos para lá.

Mas a Bíblia não mostra alteração na localidade à esquerda do hades, o lugar de tormentos. Isto quer dizer que ele ainda continua lá, ao lado do poço do abismo, a prisão dos demônios. Mas é importante lembrar de que, especialmente, no lugar de tormentos, há domínios soltos.

 

3.3. PURGATÓRIO

 

A doutrina do purgatório foi elaborada pelo papa Gregório I entre os anos 590 – 604. Esta tese defende a teoria de que quando uma pessoa morre, ela é levada ao Purgatório. O qual se trata de um lugar de sofrimentos e de muito fogo. Onde que as almas são punidas, ou melhor, onde as almas pagam pelos pecados cometidos em vida.

Mas que através da missa de corpo presente, é diminuída uma parte do sofrimento; e através da missa de sétimo dia, é eliminada outra parte e sucessivamente. Até que a pessoa é purificada e salva. Só é que, as respectivas missas são pagas e caro. Segundo a esta doutrina quem não pode pagá-las não tem nenhuma chance da salvação. A doutrina do purgatório é baseada em certas formas interpretação nos seguintes textos bíblicos: Sl 38: 1; 66: 12; Is 4: 4; 9: 18; Mq 7: 8, 9; Zc 9: 11; Ml 3: 3; Mt 5: 22, 25, 26; 12: 32; 1ª Co 3: 12 – 15.

A doutrina do purgatório foi severamente reforçada na época da construção do Vaticano no intuito de acrescentar as finanças, para a construção do mesmo.

Mas não existe esta palavra, “purgatório” na Bíblia Sagrada, nem tampouco esta doutrina. A Palavra de Deus ensina assim: O único Salvador, é Jesus Cristo - Sem Ele não há salvação. Confira: “E em nenhum outro há salvação, porque também debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual devamos ser salvos”, (Atos 4: 12).

Depois que alguém morre, nunca houve, não há, nem tampouco haverá possibilidade de salvação. A salvação só é adquirida em vida: “E como aos homens estar ordenado morrerem uma só vez, vindo depois o juízo”, (Hb 9: 27).

Os textos bíblicos utilizados pelo catolicismo para defender a doutrina do purgatório, não têm absolutamente, nada haver com o que eles pesam. Esta teoria, a do purgatório, foi à gota d’água que faltava para a Reforma Protestante.

 

Devido à existência da morte, vamos valorizar e administrar melhor a vida. Porque vale muito apena viver. A vida é bela... E viveremos segundo a vontade Deus, para termos uma eternidade com Cristo.

Portanto: Vigie os teus pensamentos, visto que eles se converterão em palavras; Vigie as tuas palavras, porque elas se converterão em atos; Vigie os teus atos, visto que eles se converterão em atitudes; E as atitudes, definirão o teu destino eterno.

 

OLIVEIRA, Dr. João Domingos Soares de, JDSO, Educação em Primeiro Lugar, Vida Após a Morte, postado dia 18 de dezembro de 2015, disponível em: